Barcelos Rock City

Último Podcast (18 Nov 2017)

Clica para ouvir

Entrevista com Happy Farm

Happy Farm

Entrevista com Grog

Grog

Entrevista com Galo Cant'às Duas

Galo Cant'às Duas

Entrevista com =Mocho=

Mocho

Emissão em Direto (Sádado 12-15)

Clica para ouvir

É um dos tesouros quase perdidos da música barcelense, este primeiro trabalho dos Kafka, datado de 1997. Até porque ele marca também a cena barcelense da década de ’90, caracterizada por uma estética densa e sombria.

Kafka

O álbum ‘Ab! Surdo’ foi todo gravado e misturado em apenas seis horas, tudo no mesmo dia – 12/12/1997;
Originalmente editado em cassete. Este formato tinha uma capa em papel de alumínio e as cassetes eram também elas prateadas. Tinham um ‘K’ colado no exterior (na caixa de plástico) e eram envolvidas por um pequeno livro com os textos das músicas;
Com este trabalho, a banda ganhou um prémio nacional, atribuído pelo Jornal de Notícias em 1998, no âmbito da iniciativa promovida pela ‘Deixe de Ser Durode Ouvido 97′; O tema ‘fürchte dich nicht (manifesto anti-nazi)’ foi editado em duas compilações: ‘Santos da Casa’ ( CBEv, 1998) e ‘Promusica’ (Promusica, 2000).

A banda era então formada por Filipe Miranda (baixo e voz), Tiago Esteves (guitarra), José Moutinho (guitarra), Ricardo Falcão (bateria), e Lisete Santos (voz).
“Ab Surdo” foi gravado no estúdio AMP, em Viana do Castelo e contou com a produção de Paulo Miranda e da própria banda.

Temas incluídos:
1. A Estranheza Da Alma (1:19)
2. As Minhas Mãos / Jack (4:54)
3. Fürchte Dich Nicht (Manifesto Anti-Nazi) / Christo (10:00)
5. Je Suis Un Serf (7:51)

As letras são da autoria de Filipe Miranda (The Partisan Seed, Was An Outsider, Villa Nazca) e são estas:

A ESTRANHEZA DA ALMA > a estranheza da alma inserida no caos | faz da introspecção da mente corpórea | o querer do doido que vagueia só | em praças vis repletas de gente | a miséria em si constrói a sua miséria | estamos expressamente proibidos de falar | logo somos bruscamente interrompidos | pelo abrir da porta que se revela inútil | o nosso ódio é condensado e rotulado | em pequenas latas de dor febril | e cada vez mais fábricas
abrem | para projectar e montar o espectáculo | as cortinas de veludo abrem-se de par em par | e eu necessito apenas do meu corpo despido | para representar o mártir atado por cordas | por outros corpos despidos que se arrastam | eles arrastam-se pelo palco em drama | e todos aqueles loucos presentes | no auditório elevam os seus gritos | ao total sacrifício da carne | e culminam num desmaio colectivo | asmático de loucura

AS MINHAS MÃOS / JACK > anel de fogo | traz-me a paz | as minhas mãos | podem senti-la | sr. jardineiro | a árvore falou! | estarei louco ou não?

FURCHTE DICH NICHT > fürchte dich nicht | o corpo de hitler | rasgado nas ruas de israel
Este tema, ao vivo, tinha um poema bastante extenso, apenas disponível nas antigas gravações de concertos. ||| This is just a fraction of the original poem. This song had a more extended version in concert, one can only hear on some of the old live recordings.

CHRISTO > dá-me o teu corpo | mesmo em sangue, quase morto | para a minha fuga | deste asilo de loucos | dá-me a tua sede | para eu sentir na pele | o fogo do inferno | a nossa viagem segue | dá-me o teu silêncio | que arde do puro incenso | dá-me a tua alma | perdi a minha, faz-me falta | quero é sentir | o que é ser algo de inteiro | vibrar de doer | eu quero arder em silêncio | christo / daímon | silêncio

JE SUIS UN SERF > je vous dis que vous pense | que je suis un serf | la force est dans le coeur du serf | je crois dans les personnes du monde | et dans le plein mer | j’entend ton coeur | mais personne m’entend | les eaux turbulant me ont dis | “tu n’est pas impartial, | tu est la voix du monde!” | dans le commence le verb | a la mer crier: | je suis un serf!

KAFKA
PT (Barcelos) /// 1997-2005: O colectivo musical português que usou como seu o nome de Kafka, teve uma carreira de oito anos na qual deixou um legado de vários discos, incluindo participações em compilações de bandas, vídeos e a memória de entrevistas, concertos e bandas-sonoras para performances artísticas. O grupo separou-se em 2005, uns meses após um último concerto em Outubro de 2004 no Auditório S.Bento Menni, em Barcelos. Já não existe como banda, embora alguns dos membros continuem a fazer música e a colaborar regularmente. Mais recentemente, em 2011, reuniram-se para um concerto único, no Festival Milhões de Festa, em Barcelos.

Share

Parcerias

 
A Trompa NAAM  

Parcerias Software Livre Audio

 
Rivendell - Radio Automation Mixxx - Free DJ Mixing Software Paravel Systems Tryphon