Edições

Último Podcast (20 Maio 2017)

Clica para ouvir

Entrevista com Daniel Catarino

Daniel Catarino

A Scene Called Barcelos

A Scene Called Barcelos

Entrevista: The Twist Connection

The Twist Connection

Entrevista com Bed Legs

Bed Legs

Emissão em Direto (Sádado 12-15)

Clica para ouvir

Dia 16 de Setembro de 2016 os Old Yellow Jack editaram "Cut Corners", o seu álbum de estreia. Produzido por Guilherme Gonçalves nos Blacksheep Studios, o disco sairá com o selo da Colado, label criada pelo grupo de Lisboa.
Este disco marca uma viragem no som da banda, deixando o psicadelismo de lado para explorar o indie rock americano de bandas como Pavement ou Real Estate, dando-lhe o seu cunho pessoal. Depois de “Glimmer”, single lançado em Fevereiro, “Ten Tons” é a segunda amostra daquilo que podemos esperar do novo trabalho deste “quarteto de maninhos”.

Após a edição de Magnus em 2015, os últimos dois anos ficaram marcados por atuações em festivais como o Indie Music Fest ou o Vodafone Mexefest, programas de televisão como o 5 para a meia noite e algum reconhecimento de blogs e rádios internacionais. Entre Setembro e Dezembro podemos esperar uma digressão de apresentação de Cut Corners, marcando presença nas principais cidades do país.

Biografia

Começaram como quaisquer dois putos de 15 anos, com vontade de fazer barulho. Entre barulho e não barulho, convém completar a banda e aprender a escrever canções. E assim começa a vida pública dos Old Yellow Jack, com quatro demos caseiras que os levaram de Norte a Sul do país, numa tentativa de fazer o tal barulho resultar em cima de um palco, sem terem sequer idade para pegar num carro.

"Magnus", o primeiro EP digno desse nome, acaba por surgir como um murro na mesa de 4 jovens com arranjos de adultos, impacientes por mostrar ao mundo que a idade é só um número. E de uma vez por todas, resultou. A crítica acolheu o disco de braços abertos e a nova digressão permitiu-lhes passar por algumas das salas mais emblemáticas deste país. Viram os seus singles viajar até rádios e blogs no Brasil e em Los Angeles. Atraíram a atenção de festivais como o Vodafone Mexefest, Novos Talentos Fnac e Indie Music Fest, e, como bons workaholics que são, até formaram a sua própria agência de bandas, a Colado, de maneira a dar a mão às novas bandas em que mais acreditam.

Não descuraram o trabalho de estúdio, tendo o lançamento do seu álbum de estreia, "Cut Corners", marcado para Setembro de 2016. Deixando de lado o psicadelismo frenético de "Magnus", experimentam agora o indie americano de bandas como Pavement ou Real Estate, com melodias que farão lembrar uma espécie extinta chamada Fleet Foxes. Dadas as influências, poderíamos dizer que se tornaram mais calmos. Erro ingénuo de quem nunca os apanhou ao vivo.

Afinal, são só uns putos com vontade de fazer barulho.

Após 5 anos de atividade, os lisboetas Old Yellow Jack decidiram pôr um ponto final à banda. A despedida aconteceu a 21 de Janeiro no Sabotage Club em Lisboa, numa noite especial que contou com vários convidados e onde a banda revisitou todo o seu percurso, começando nas primeiras demos caseiras, passando pelo EP "Magnus" e finalizando em "Cut Corners", primeiro e único álbum, editado em Setembro de 2016.

Quanto às razões que os levaram a tomar esta decisão, o grupo rejeita qualquer tipo de diferenças ou desacordos a nível pessoal: “continuamos tão amigos como sempre fomos, o que para nós é o mais importante. Old Yellow Jack foi a nossa banda de secundário, que felizmente acabou por durar até hoje. Sentimos que é hora de acabar, explorar novos rumos e dedicar a nossa atenção a outros projectos que nos estão a dar mais gozo. A partir do momento em que a motivação já não está lá, condenar algo que nos é tão querido a uma morte lenta seria inglório. Aprendemos muito, passámos óptimos momentos e fizemos música da qual nos orgulhamos muito. E queríamos agradecer a todos os que estiveram connosco todos estes anos.”

A vida musical dos quatro rapazes não acaba aqui, garantidamente: podem continuar a acompanhar Guilherme e Miguel nos seus NOOJ, que lançarão novo trabalho já em Março; Filipe e Henrique têm ambos novos projectos já em desenvolvimento, mas sem previsão de lançamento ao público; e claro que a Colado, label fundada pelo grupo, continuará em grande força em 2017, com festas regulares e edição de discos de bandas como Reis da República, NOOJ e Alex Chinaskee & Os Camponeses.

https://www.facebook.com/oldyellowjack
https://oldyellowjack.bandcamp.com

©2016 Colado (COL002)
Gravado no Black Sheep Studio por Guilherme Gonçalves, Diogo Rodrigues e Bruno Pattier.
Produzido por Guilherme Gonçalves e misturado por Nuno Roque.
Masterizado por Miguel Pinheiro Marques nos estúdios Sá da Bandeira.


1. Glimmer (3:45)
2. Ten Tons (3:04)
3. Inner City Sunburns (3:24)
4. Cut Corners (5:09)
5. Svenn (4:51)
6. Jingle Jangle (3:23)
7. Sailors Cellars Sellers (4:01)
8. Beat Life (3:36)

 

 

 

 

 

Share

Parcerias

 
A Trompa NAAM  

Parcerias Software Livre Audio

 
Rivendell - Radio Automation Mixxx - Free DJ Mixing Software Paravel Systems Tryphon