Edições

Último Podcast (17 Fev 2018)

Clica para ouvir

Entrevista com Vaarwell

Vaarwell

Entrevista com Ganso

Ganso

Entrevista com Ana Deus

Ana Deus

Entrevista: Waste Disposal Machine

Waste Disposal Machine

Emissão em Direto (Sádado 12-15)

Clica para ouvir

Edições

Esta é uma edição limitada a 25 cópias em CD-R, gravação captada na Festa do Avante, na Quinta da Atalaia, Amora-Seixal, a 09.09.1991 por José Almeida. A edição, 25 anos depois, é da netlabel Anti-Demos Cracia que, tal como a banda, é originária da Aldeia de Paio Pires.

"Há cinquenta o anos o rock'n'roll servia para colocar em risco os valores da família e no disco novo dos Velhos serve para o contrário: eles andam à rasca para a constituir. Pedidos de casamento, desejos de filhos, lareiras e praias sonhadas para a descendência. Ainda por cima, já não é só o Quica que faz estes pedidos num registo de lamúria gemida (ele antes não cantava assim...), é também o Sebastião em pose Dylan-New Morning de óculos e camisa branca que se junta ao clamor. O que é que deu aos Velhos?

O disco de estreia de Vaarwell, «Homebound 456», chegou às principais plataformas online no dia 10 de Março. Isto depois da banda ter dado a conhecer em Fevereiro o tema e vídeo de «YOU», o primeiro single a rodar em diversas rádios nacionais e internacionais, incluindo a britânica BBC Radio 1, e que atingiu cerca de 30.000 audições no Spotify depois de apenas 2 semanas online.

"Children of Yesterday" é o longa duração de estreia dos famalicenses Scream of The Soul. Começaram no início da adolescência, passou uma década e os rapazes fizeram-se homens. Este foi um disco que durou muito a concretizar. Não é um trabalho longo, mas funciona como uma peça única, é um documento de trabalho, entrega e determinação. Trata-se de uma edição proópria.

Os Basorexia Army são um projecto aveirense que no mês de setembro de 2016 lançou o seu segundo trabalho em formato EP, de nome "Two Sides Of A Broken Heart", em edição de autor. Os Basorexia Army são um dueto que junta arranjos originais de música electrónica com uma voz naturalmente pop.

Depois de um ano e meio a preparar o novo álbum “MOCHO II”, o MOCHO está de volta em força, pronto para enfrentar os grandes palcos.
Podíamos dizer que o rock está de volta, mas a verdade é que sempre esteve connosco. Vestido de uma sonoridade densa e com arranjos que primam pelo requinte o MOCHO não se deixa levar pela electropop seguindo uma verdadeira sonoridade alternativa.

Happy Farm é um projecto grind do Porto surgido em 2015 pela mão de Nuno Cardoso (ex-Holocausto Canibal) que inicialmente convidou o Tiago Cardoso para a voz e mais tarde o Miguel Seewald para o baixo. "Just Pig It" é o trabalho de estreia e foi editado na primeira semana de janeiro de 2017.

“Abraço” é o novo trabalho de oLUDO, um álbum que personifica a encruzilhada entre o rock e o indie pop Português. O single de apresentação, com o nome homónimo do álbum, é uma desventura de ritmo marcado pelo fogo da paixão e da descoberta, com a serenidade da atualidade. O videoclipe é da autoria do estúdio criativo Ferro & Ferreirim. Tendo “A minha grande Culpa” e “Fica não te vás daqui” como cartão de visita, oLUDO entra assim em 2017 com o seu 4º trabalho de estúdio, com atitude musical desconstruída do inecessário, forjada na pele, no coração e na resiliência.

"Território Desconhecido" é o terceiro longa-duração de originais da banda, seguindo-se a «Hora Extraordinária» (2011) e «Quadro» (2012), tendo estes sucedido ao EP de estreia «Trêsporcento» (2009). A actividade de estúdio dos Trêsporcento não esteve parada durante este hiato de mais de quatro anos sem um álbum de originais: em 2014 a banda editou «Lotação 136», um álbum gravado ao vivo no Teatro Aberto, em Lisboa, e em 2015 lançou dois singles, «Homem Novo» e «Aguentem-se os Fracos», gravados entre Lisboa e Sidney.

Os Viralata regressam em força com o 3º disco de originais intitulado “Rota de Colisão”. O nome e o conceito deste novo álbum inspira-se muito na imagem que temos do mundo que nos rodeia, em tudo aquilo que acontece, na forma como a Humanidade lida com todas as suas semelhanças e diferenças. Mantendo o registo habitual e característico da banda, que mistura a mensagem e a preocupação social com o humor e a pura diversão, este novo trabalho revela uns Viralata ainda mais maduros e coesos.

Bruno Pernadas apareceu em apoteose com “How can we be joyful in a world full of knowledge” (2014). Dois anos depois regressa com dois álbuns ainda mais poderosos. São duas elegias da felicidade. Para já, fiquemo-nos pelo primeiro.
“Those who throw objects at the crocodiles will be asked to retrieve them” é um disco feliz. Não sei se é um disco sobre a felicidade, mas a felicidade transparece em todos os seus poros (aceitemos que a música também tem pele: respira e transpira). É um disco feliz porque reflecte a felicidade de quem o fez.

Parcerias

 
A Trompa NAAM  

Parcerias Software Livre Audio

 
Rivendell - Radio Automation Mixxx - Free DJ Mixing Software Paravel Systems Tryphon