Edições

Último Podcast (20 Maio 2017)

Clica para ouvir

Entrevista com Daniel Catarino

Daniel Catarino

A Scene Called Barcelos

A Scene Called Barcelos

Entrevista: The Twist Connection

The Twist Connection

Entrevista com Bed Legs

Bed Legs

Emissão em Direto (Sádado 12-15)

Clica para ouvir

Edições

Na primeira pessoa:

Este é o nosso EP "Blossom Age" que queremos fazer chegar ao vossos ouvidos!

Não é o primeiro registo dos A Beta Movement mas é sem dúvida o mais bem conseguido até agora. Arranjamos um produtor, fomos para estúdio, convidamos alguns músicos, tivemos um engenheiro para nos misturar e editamos 200 cópias em vinil.
Agora precisamos da vossa participação para expandir o nosso trabalho!

“Diffraction / Refraction”, o segundo longa-duração dos You Can’t Win, Charlie Brown, é um disco muito mais desafiador do que “Chromatic” – o álbum de estreia do grupo, editado pela Pataca Discos em 2011. Se é verdade que neste novo disco encontramos uma boa parte do vocabulário já enunciado no trabalho anterior (harmonias vocais exemplarmente construídas, combinação entre elementos folk e electrónicos, diversidade rítmica, construção de ambientes quase sinfónicos), verificamos que agora tudo isso foi levado a patamares ainda mais sofisticados. Inesperados mesmo.

Ash is a Robot é uma banda de pós-hardcore de Setúbal, formada por Cláudio Aníbal (voz),  Renato Sousa (guitarra e voz), Francisco Caetano (guitarra e voz), Gonçalo Santos (bateria) e Bernardo Pacheco Pereira (baixo).
Começaram em meados de 2012, tendo as coisas acontecido de forma muito rápida. Após terem tocado bastante um pouco por todo o país e Espanha, a banda que inclui elementos de outras bandas nacionais decidiu trazer o seu som enérgico e abrangente a uma audiência mais vasta. Os membros de Ash is a Robot são também músicos de Monogomo, Ella Palmer,  Marte, Porn Sheep Hospital e Beautiful Venom.

Ass Troubles” é o álbum novo dos Serrabulho, banda formada em 2010 e actualmente formada por Paulo Ventura (guitarra e voz), Carlos Guerra (voz), Guilhermino Martins (baixo, concertina e voz) e Ivan Saraiva (bateria). O álbum é uma edição é da Vomit Your Shirt, da Covilhã, edtora especializada em grind e nos sons mais extremos do metal. Aliás, os Serrabulho tocam qualquer coisa como Happy Death e Grindcore. São influenciados por nomes como Lividity, Gronibard, Gut, Quim Barreiros, Iron Maiden, Mamonas Assassinas, Ren & Stimpy, Zé Marra, Pute de Merde, Camy, "Finger in Girl" e restantes amigos do degredo!!!

Os TORTO são três: Jorge Coelho na guitarra, Jorge Queijo na bateria e Miguel Ramos no baixo. Um trio de virtuosos que presta especial atenção à numerologia — Torto, o disco, foi gravado no dia 4 de Maio, em 4 horas, nos estúdios da Meifumado, com o apoio de Zé Nando Pimenta, que ficou, igualmente, a cargo da mistura e da masterização do álbum.

"Quando as coisas eram mais simples, fazer o que quer que fosse era complicado. Quando as coisas eram mais simples davam trabalho, e dedicavam-se anos a explorá-las, a estudá-las, a apreendê-las e a incorporá-las na nossa vida e naquilo que fazíamos. Quando as coisas eram mais simples respeitar a tradição nem era algo que se questionasse, porque a tradição era o caminho trabalhoso para o que quer que de original pudessemos vir a ser.
Nesta linha de pensamento, “Donkey” é um disco à moda antiga, e os Nobody’s Bizness uma banda teimosa e anacronicamente tradicional.

"A grande surpresa do quarto volume da mostra de bandas bracarenses “À Sombra de Deus” dava pelo nome de Ermo, a singela designação do duo formado em 2011 por António Costa e Bernardo Barbosa e que, apesar da acentuada juventude dos seus membros, ostentava uma originalidade já bem vincada, tanto mais surpreendente quanto rara nestes tempos hegemónicos em que a formatação e as imitações ditam as regras.

O Quarto Fantasma é um trio de Lisboa de rock experimental, principalmente instrumental, que explora várias dinâmicas musicais, do quase silêncio até intensas explosões de som. Músicas amplamente instrumentais com guitarras eléctricas, vozes, bateria e electrónica.
Existente desde 2010, lançou em 2011 o EP “Arder”, que incluiu uma versão do tema “Canção de Embalar” de José Afonso.
A edição em 2013 de “A Sombra”, pela Raging Planet, junta O Quarto Fantasma ao catálogo da editora onde constam bandas como Bizarra Locomotiva, Peste & Sida, Riding Pânico, Men Eater, Besta, Capitão Fantasma, Sinistro, entre muitas outras.

Este álbum de cinco canções (para as quais foram filmados cinco telediscos) é uma fotografia do que a Armada foi desde o seu início em 2009 até ao mês de agosto de 2013. É o resultado de uma série de mutações desde a banda punk sem aspirações de grandeza até à banda rock n’roll que não quer parar de crescer.

Ao longo de mais de vinte anos de carreira, o músico, letrista e compositor (e, muito de quando em vez, cantor) José Flávio Martins sempre expressou, em todos os grupos que criou, um amor imenso pela música tradicional portuguesa, fosse o fado ou a música de raiz rural, mas nunca deixando de alargar esse amor -e uma enorme curiosidade e estudo - a muitas outras músicas: a tradição dita celta, a folk anglo-saxónica, o flamenco, o jazz, o tango e até algumas vertentes do pop/rock. Assim, sem hierarquias, épocas históricas ou geografias definitivas ou obrigatórias.

Os Los Waves são um projecto especial, o único do seu género no panorama nacional, com uma abordagem etérea, envolvente mas ao mesmo tempo fresca, pop, viciante e catalisadora.

Vão beber influências à new wave, numa travessia Pop que funde a natureza, o psicadelismo, o tribalismo e uma sonoridade urbana e ambiciosa, resultante talvez de meses a viver num tenda em praias desertas e longas viagens pela América do Sul e pelo Oceano Índico.

Parcerias

 
A Trompa NAAM  

Parcerias Software Livre Audio

 
Rivendell - Radio Automation Mixxx - Free DJ Mixing Software Paravel Systems Tryphon