Artigos

Último Podcast (9 Dez 2017)

Clica para ouvir

Entrevista: Waste Disposal Machine

Waste Disposal Machine

Entrevista com Happy Farm

Happy Farm

Entrevista com Grog

Grog

Entrevista com Galo Cant'às Duas

Galo Cant'às Duas

Emissão em Direto (Sádado 12-15)

Clica para ouvir

Braga não gerou apenas a lenda Mão Morta. Dezenas de músicos contribuem para a manutenção da saúde estética da cidade

Manchester deixou de constar na geografia sonora do melómano após a falência estética do eixo urbano-depressivo dos inícios de 80 e da euforia fármaco-sorridente do fim do mesmo decénio?

Bristol não vai recuperar o estatuto que o pioneirismo, a contra-cultura e o brilho de, respectivamente, Wild Bunch, Pop Group e Massive Attack ofereceram ao Mundo durante os últimos 20 anos?

Detroit só é recordada por abrigar os MC5 e os Stooges (fins dos 60, aurora dos 70) e definir os princípios do tecno, na alvorada da década de 80?

E Braga? Só deu os Mão Morta e duas compilações exemplificativas da vontade de uns espontâneos em fazer música, já lá vão 13 anos?

Não, não, não e "não". As aspas na derradeira negativa lançam Miguel Pedro para a defesa da vitalidade de uma "cena" de que é, actualmente, a face.

Acima de tudo, interesse...

O eterno faz-tudo da mais emblemática, e esteticamente consequente, banda surgida em Braga além de baterista, produz, compõe e protagoniza esporádicas aparições na guitarra, piano e baixo não tem pejo algum em afirmar que "sempre existiram muitos grupos a tocar, a ensaiar, empenhados em mostrar a sua arte".
Pelos vistos, a principal lacuna em relação aos "jovens turcos" de 1988 é a sistematização do movimento, ou seja, não fica documentada a globalidade dos esforços de todos os que se movem na invisibilidade das garagens, das salas de ensaio, dos concertos em péssimas condições, ainda por cima, muitas vezes, perante um público olimpicamente constituído por... oxigénio.

A hipótese de o problema residir na ausência de um apoio análogo ao protagonizado pela Câmara Municipal na publicação das colectâneas "À Sombra de Deus" (ler peça à parte) é posta de parte por Miguel Pedro. "Hoje, já não é absolutamente imprescindível auxílios desse cariz". A existência de editoras de menores dimensões e "meios mais fáceis e acessíveis de fazer circular a informação" potenciam essa relativa autonomia de quem se inicia nas lides.

Acima de tudo, o importante "é haver pessoas que se interessem pelos novos projectos, que os orientem". Neste capítulo, o ex-Bateau Lavoir assume a função. Além de estar a produzir o álbum de estreia dos Big Fat Mamma previsível lançamento no princípio de 2002, pela Universal, vai tocar bateria com Sandy, escocês radicado em Braga, enquanto este recruta e solidifica a formação que o vai acompanhar.

Não é o paraíso

Por consequência, se não é pela falta de matéria humana que Braga não volta a ser sinónimo de pujança criativa, porque é que o resto do país ainda não pode usufruir do talento dos potenciais sucessores dos Mão Morta?

Essencialmente, são três as razões: "Falta de infra-estruturas, défice de promotores de espectáculos e a reduzida amplitude do mercado", enumera o interlocutor (e cicerone pela presente paisagem musical bracarense) do JN.

"Não se constroem estúdios porque não há mercado para os sustentar", o que radica na implantação de um círculo vicioso. Por outro lado, "a inexistência de um circuito local e regular de concertos e actividades afins complica enormemente o processo de exposição das novas bandas".

Um disco, oito destinos

O primeiro esforço de captação da arte de um conjunto de bandas bracarenses consubstanciou-se na compilação "À sombra de Deus" (Braga 88), publicada em 1989. Nela participaram Rongwrong, Pai Melga, Orfeu Rebelde, Os Gnomos, Bateau Lavoir, Baile de Baden-Baden, Rua do Gin e Mão Morta.

Logística e financeiramente apoiado pela Câmara Municipal de Braga, o disco foi o corolário do especial empenhamento de Adolfo Luxúria Canibal, o emblemático vocalista dos Mão Morta, e de Alberto Borges, dos Rongwrong.

Num pseudo-exercício de retórica saudosista, averigue-se o que 13 anos fizeram aos heróis de 1988. Ainda a palavra a Miguel Pedro.

"Os Rongwrong acabaram, mantendo-se apenas ligados à música Manuel Leite e a cantora, Teota, com a qual é casado. O que gravam fica para consumo próprio. Actualmente, ele é produtor de vídeo".

Quanto aos Pai Melga e aos Orfeu Rebelde, "pura e simplesmente, abandonaram a actividade musical".
O ex-baixista de Os Gnomos, Nuno Pita, "é, agora, baterista dos Spank The Monkey. Os restantes elementos deixaram as lides musicais".

Miguel Pedro era o baterista dos Bateau Lavoir na compilação, além destes, representou os Mão Morta, dos quais apenas o seu irmão e Bula permanecem no meio. O primeiro ligado à música tradicional galega, o segundo como técnico.

Os Baile de Baden-Baden e os Rua do Gin tinham a particularidade de terem nas suas fileiras Paulo Trindade, o qual tem nos Seis Graus de Separação a sua mais recente aventura.

"Primavera de destroços" é, para já, a última etapa de um dos mais estimulantes grupos nacionais. Os Mão Morta editam álbuns há 13 anos. Pela frescura sónica do último, parece que aguentam outros tantos.

Anos depois, a Câmara patrocinou o segundo volume, desta feita organizado por Miguel Pedro. O disco conheceu, inclusive, distribuição pela BMG.

Continuidade, aluga-se....

Costumas parar por aqui?

Deslize No princípio era....o Deslize. O bar presenciou o nascimento do fenómeno Mão Morta e abrigou aliás, continua a fazê-lo quase todos os que ousaram pegar em instrumentos e dar largas à alma. Ainda hoje continua a enfrentar problemas com a vizinhança, remontando o último concerto à noite, sem engulhos, ao São João. Sintomático.

Brasileira Ponto de encontro de muitos dos músicos bracarenses. Cinco minutos chegam para ver desfilar antigos, actuais e futuros estetas do mapa sonoro da mais importante cidade minhota. De resto, à decoração junte-se um muito "cool" ambiente multi-etário e heterogéneo.

InsÓlito Outro poiso frequente da comunidade musical da cidade dos padres, arcebispos e demais hierarquias religiosas.

Pacatos Promove espectáculos quase todos os fins-de-semana. Consequentemente, detém uma forte função divulgadora dos mais recentes sons paridos em Braga.

Flauta Hamelin Centro de Ensino Musical de Braga Manuel Beleza dirige um alfobre de candidatos a "famosos". Duas vertentes de ensino erudita/clássica e rock/jazz têm lançado para a atmosfera um perfume de renovação.

Salão Mozart Escola e loja de instrumentos, sob a responsabilidade de Vítor Vaz, algumas vezes funciona como pronto-socorro, através do empréstimo de material.

Emanuel Carneiro / JN

ARTIGO PUBLICADO NO JORNAL DE NOTÍCIAS - 01.09.2001

Share

Parcerias

 
A Trompa NAAM  

Parcerias Software Livre Audio

 
Rivendell - Radio Automation Mixxx - Free DJ Mixing Software Paravel Systems Tryphon